Sintomas de Diabetes Gestacional


A Diabetes Gestacional caracteriza-se pela hiperglicemia (nível elevado de glicose no sangue) durante a gravidez de uma paciente que não apresentava quadro de Diabetes não-gestacional anteriormente. Cerca de 3 a 8% das gestantes apresentam essa condição.

Normalmente, a Diabetes Gestacional é uma condição temporária, que é curada logo após o parto. No entanto, as mães que apresentam esse quadro entram para o grupo de risco da Diabetes Tipo 2. Portanto, é importante fazer acompanhamento médico e manter um estilo de vida saudável após o parto.

Aprenda quais são os Sintomas de Diabetes Gestacional.

O que é a Diabetes Gestacional

Durante a gravidez, o organismo da gestante gera uma grande quantidade de hormônios que contribuem para o desenvolvimento do bebê. Esses hormônios afetam o funcionamento da insulina, exigindo que o pâncreas compense com uma produção elevada de insulina.

A Diabetes Gestacional ocorre quando o organismo de uma gestante não produz insulina o suficiente para compensar esse problema. Com a quantidade reduzida de insulina, a glicose se acumula no sangue e leva ao quadro diabético.

Essa condição costuma surgir por volta da 24ª e 28ª semana de gravidez, quando a gestante deve fazer exames para descobrir se possui essa condição ou não. Em caso positivo, é necessário fazer o tratamento adequado para evitar complicações na gravidez.

Conheça os sintomas da  Diabetes Gestacional

Assim como a Diabetes, em geral, é uma doença silenciosa, a Diabetes Gestacional ainda tem o agravante de se misturar com sinais da gravidez, o que disfarça os sintomas da doença.

Alguns dos sintomas da Diabetes Gestacional são:

  • Fome e sede excessivas
  • Grande aumento no peso da gestante ou do bebê
  • Necessidade constante de urinar
  • Visão embaçada
  • Inchaço nos pés e nas pernas
  • Infecções na bexiga, pele, entre outros

Devido à semelhança entre esses sintomas e os sinais da gravidez, é importante fazer os exames indicados para descobrir a Diabetes Gestacional pelo menos três vezes ao longo da gravidez.

Os exames mais comuns são o de glicemia de jejum, que não deve ultrapassar 85 mg/dL e o de curva glicêmica.

Consequências da Diabetes Gestacional

A Diabetes Gestacional pode levar a diversas complicações tanto para a gestante quanto para o bebê. Embora a condição seja temporária, as suas consequências podem durar muito mais tempo. Por esse motivo, o tratamento é indispensável.

Riscos para o bebê

  • Nascimento prematuro
  • Síndrome do desconforto respiratório
  • Hipoglicemia pós-parto
  • Desenvolvimento de Diabetes Tipo 2
  • Obesidade
  • Aborto expontâneo ou morte no parto

Riscos para a gestante

  • Desenvolvimento de Diabetes Tipo 2
  • Pressão arterial alta
  • Pré-eclâmpsia

Outro risco da Diabete Gestacional que afeta tanto a mãe quanto o bebê é a possibilidade de parto traumático. Quando o bebê é exposto a grande quantidade de glicose, ele pode crescer excessivamente e complicar o parto normal.

Tratamento para Diabetes Gestacional

Para evitar todos esses riscos e garantir o bem-estar da gestante e do bebê, deve-se fazer um tratamento com atividades físicas e dieta para Diabéticos, além de medicamentos para Diabetes em casos mais graves.

A dieta adequada para Gravidez Gestacional, assim como o plano de atividades físicas, deve ser planejada por um profissional. Em geral, o açúcar e carboidratos simples são cortados, a fim de evitar picos de glicemia.

Quando a quantidade de glicose no sangue é muito elevada e o estilo de vida planejado não é o suficiente para regularizar esse quadro, são introduzidos remédios. Pode-se aplicar insulina ou administrar hipoglicemiantes.

Ao ingerir hipoglicemiantes orais, é importante se atentar aos remédios que não são permitidos durante a gravidez. Embora comum no tratamento de Diabetes, a Metformina não é permitida durante a gravidez.

Gostou deste artigo? Aprenda também sobre o Tratamento de Diabetes Gestacional.


Esta artigo foi útil?

Artigos Relacionados

Deixe Um Comentário?