Resistência à insulina: o que é, causas e diagnóstico


 

Quando o assunto é diabetes, não é raro ouvir o termo “resistência à insulina”. Porém, o que ele significa de verdade? Como é sua atuação no organismo? Entenda mais sobre o que é resistência à insulina, suas causas e seu diagnóstico.

Veja ainda como a resistência insulínica atua. Por fim, saiba também qual o tratamento para esse caso.

O que é Resistência à insulina?

A resistência à insulina é uma condição em que ocorre um desequilíbrio entre a quantidade deste hormônio e o seu funcionamento. Isso significa que o número necessário de insulina deve ser muito maior em uma pessoa com a resistência. Logo, a produção normal de insulina acaba sendo insuficiente para o organismo.

Para ilustrar a situação, seria o mesmo que dizer que é necessário duas ou mais moléculas de insulina para fazer o mesmo trabalho de levar a glicose para dentro das células. Esses números não são os mesmos no corpo, mas o exemplo explica a forma que ocorre a resistência insulínica.

Quais são as causas da resistência insulínica?

A causa principal de resistência insulínica é o excesso de peso, que também está associado a diabetes tipo 2. Com o aumento do tecido adiposo, é necessário que o pâncreas produza muito mais insulina. Dessa forma, a resistência à insulina começa a operar no organismo. Outras razões da situação incluem:

  • colesterol elevado,
  • gestação;
  • hipertensão arterial,
  • síndrome metabólica,
  • síndrome do ovário policístico,
  • esteato-hepatite não alcoólica (gordura no fígado).

Como diagnosticar Resistência à insulina?

O diagnóstico da resistência à insulina é feito com exames de rotina ou por indicação quando há suspeitas do caso.  Esses testes devem ser feitos com frequência para pessoas que estão no grupo de risco, apresentando: sobrepeso, obesidade, alterações no colesterol, hipertensão e gestantes com a glicemia alterada.

O principal instrumento de avaliação da resistência insulínica é o exame de sangue. O diagnóstico pode ser feito facilmente  analisando a insulina de jejum, a glicose de jejum e o cálculo de marcador (HOMA-IR).

Quais sãos os sintomas de Resistência à insulina?

Em grande parte dos casos a resistência à insulina não apresenta sintomas. Contudo, se ela está associada a outros problemas, podem aparecer alguns sinais da condição.

Por exemplo, se ela estiver ligada ao ovário policístico, é possível surgir a Síndrome de Hair-na, que apresenta as seguintes características:

  • Menstruação desregulada;
  • Aumento da presença de pelos pelo corpo;
  • Oleosidade e acne na pele;
  • Acantose Nigricans (escurecimento de certas partes da pele como axilas e pescoço).
  • Acrocórdons (protuberâncias na pele vistas atrás do pescoço e axilas).

Como tratar a resistência insulínica?

A resistência à insulina tem cura. Para isso deve ser feito o tratamento correto. Essas medidas são determinadas pelo endocrinologista ou pelo clínico geral. A prescrição normalmente inclui:

  • Perda de peso,
  • Alimentação saudável;
  • Praticar exercícios físicos;
  • Conferir os níveis de glicemia a cada 3 ou 6 meses.

Em casos de maior risco, pode ser recomendado o uso de Metformina, que é um remédio para controle da produção de glicose. Ele atua melhorando a ação da insulina e levando a quantidade certa de glicose para as células.

A resistência à insulina pode ser detectada antes de causar algum prejuízo maior ao organismo. Então, não deixe de realizar seus exames de rotina periodicamente.

Caso tenha suspeita de diabetes, realize um exame para detectar diabetes o quanto antes.


Esta artigo foi útil?

Artigos Relacionados

Deixe Um Comentário?