Tipos de Diabetes

A Diabetes é uma doença causada pela falta ou insuficiência de insulina no organismo, devido a uma incapacidade do pâncreas de produzir esse hormônio, ou por um mau funcionamento dela. Essas diferenças caracterizam diferentes Tipos de Diabetes.

Em ambos os casos, o resultado é a hiperglicemia, pois a insulina é responsável pelo transporte da glicose do sangue até as células, onde ela é convertida em energia. Com a hiperglicemia, há a diabetes.

Conheça todos os tipos de diabetes:

Diabetes Tipo 1

A Diabetes Tipo 1 é genética. Ela ocorre quando o pâncreas do paciente é incapaz de produzir uma quantidade suficiente de insulina. Normalmente, quando o nível de glicose no sangue de uma pessoa não diabética sobe, as células beta produzem insulina.

O organismo dos diabéticos de tipo 1 é autoimune, e seu sistema imunológico ataca as células beta. Consequentemente, o paciente fica com um nível baixo de insulina no corpo e a glicose se concentra no sangue, em vez de produzir energia.

Cerca de 5 a 10% dos pacientes com Diabetes têm o tipo 1. Por ser genética, a doença pode se apresentar desde o primeiro ano de vida e costuma ser diagnosticada já na infância ou adolescência, embora possa demorar mais.

O tratamento é feito com doses de insulina, medicação, uma boa alimentação e prática adequada de atividades físicas, a fim de controlar o nível de glicose no sangue.

Confira os Sintomas da Diabetes Tipo 1.

Diabetes Tipo 2

A Diabetes Tipo 2 é adquirida. Ela geralmente é desenvolvida na vida adulta, embora também possa ocorrer na infância, como consequência de um estilo de vida pouco saudável. Isto é, sedentarismo e uma alimentação com excesso de refrigerante, açúcar, carboidratos e gordura.

Neste caso, o organismo do paciente desenvolve uma resistência à insulina produzida, não conseguindo utilizá-la adequadamente, ou não produz quantidade suficiente do hormônio para regular a taxa de glicemia.

Este é o tipo mais comum de diabetes. Entre os pacientes diagnosticados com a doença, cerca de 90% são do tipo 2. Em casos menos graves, a Diabetes de tipo 2 pode ser controlada com atividade física e alimentação planejada. Em casos mais graves, pode-se recorrer à insulina e medicamentos.

Confira os Sintomas da Diabetes Tipo 2.

Diabetes Gestacional

A Diabetes Gestacional afeta cerca de 3 a 8% das gestantes e costuma surgir entre a 24ª e 28ª semana de gestação. Ela é caracterizada por hiperglicemia no organismo de mulheres grávidas que não são diabéticas, mas cujo organismo não consegue regular as taxas de glicose durante a gravidez.

Durante a gestação, os níveis hormonais da mãe mudam para auxiliar o desenvolvimento do bebê. Esses hormônios reduzem a ação da insulina, tornando necessário que o pâncreas aumente sua produção para regularizar o quadro hormonal e glicêmico.

No entanto, o organismo de algumas gestantes não faz essa compensação. Com a quantidade reduzida de insulina e, consequentemente, o excesso de glicose no sangue, surge o quadro de Diabetes Gestacional.

A Diabetes Gestacional pode acarretar em problemas na gestação e desenvolvimento do bebê. O feto exposto a uma quantidade excessiva de glicose corre o risco de crescer demais, problema chamado de macrossomia fetal, que leva a complicações no parto. O filho também pode sofrer de obesidade e Diabetes na vida adulta.

Em geral, a Diabetes Gestacional desaparece logo após o parto, mas, para a saúde da gestante e do bebê, é importante fazer um exame entre a 24ª e 28ª semana de gestação e, caso diagnosticada, tratar da doença.

O tratamento inclui:

  • Alimentação planejada
  • Prática de exercícios físicos programados
  • Monitoramento da taxa de glicose
  • Verificação da presença de cetonas na urina
  • Ingestão de insulina

Confira os Sintomas de Diabetes Gestacional.

Pré-diabetes

A pré-Diabetes é um quadro caracterizado por uma alta taxa de glicose no organismo de um indivíduo que ainda não tem diabetes. Ela serve como um indicativo de que o paciente pode desenvolver a Diabetes de tipo 2 e deve começar um tratamento preventivo.

Embora muitos dos pacientes diagnosticados deixem o tratamento para depois, é importante compreender que a pré-Diabetes é a única chance de reverter esse quadro, afinal, a Diabetes é definitiva. Além disso, estima-se que cerca de 50% dos pacientes diagnosticados com pré-Diabetes  desenvolvem a doença.

Alguns dos fatores de risco que caracterizam a pré-Diabetes são:

  • Glicemia de jejum alterada
  • Tolerância reduzida à glicose
  • Hemoglobina glicada entre 5,7% e 6,4%
  • Histórico de   Diabetes Gestacional
  • Histórico de  Diabetes na família de 1º grau
  • Acúmulo de gordura abdominal

Caso você apresente esses sintomas, não perca tempo: faça um exame para detectar Diabetes.

Gostou deste artigo? Confira também:

Esta artigo foi útil?

Artigos Relacionados

Deixe Um Comentário?