Sintomas da Diabetes

A Diabetes é uma doença silenciosa, que muitas vezes não apresenta sintomas notáveis para o paciente. A doença ocorre pela falta ou mal funcionamento da insulina no organismo, que leva a um excesso de glicose (açúcar). Um paciente adulto pode levar anos até perceber que possui diabetes.

Existem diferentes tipos de Diabetes, os principais sendo o 1 e o 2. O tipo 1 é genético. Nele, o corpo é incapaz de produzir insulina. O tipo 2, por sua vez, é relacionado a fatores como o estilo de vida, e resulta em um mal funcionamento da insulina no organismo.

Estima-se que existam 382 milhões de pessoas no mundo que sofram de diabetes, mais do que o dobro da população brasileira. Desse número, cerca de 11 milhões moram no Brasil e, entre eles, 3,5 milhões não sabem que têm doença.

Para descobrir se uma pessoa tem a doença, é útil observar os sintomas, tal qual sede e vontade de urinar excessivas, cansaço e infecções. No entanto, devido ao silêncio da doença, é importante fazer exames para detectar a Diabetes, em especial se o paciente tem mais de 40 anos.

1. Sede e vontade de urinar excessivas

Devido à grande quantidade de glicose acumulada no organismo, os rins precisam trabalhar duro para filtrar e absorver o açúcar do sangue. A solução encontrada pelos rins é eliminar o excesso de glicose na urina juntamente aos líquidos dos tecidos.

Consequentemente, o corpo pode ficar desidratado, causando muita sede. E, quanto mais água você bebe para tentar se saciar, mais você precisará urinar, como se não bastasse o excesso de urina já causado pela eliminação de glicose.

2. Visão embaçada

A diabetes pode prejudicar seriamente a visão. O excesso de glicose no organismo provoca um inchaço do cristalino (lente do olho), que muda sua forma e diminui sua flexibilidade, afetando a capacidade de foco. Como resultado, a visão fica turva.

Quando a diabetes está controlada, geralmente os problemas de visão não são graves. No entanto, um paciente com anos de diabetes pode ter complicações mais sérias, como a Retinopatia Diabéticalevando até mesmo à cegueira.

3. Cicatrização demorada

O excesso de glicose provoca diversos problemas no funcionamento do organismo. Um deles é a dificuldade para cicatrizar feridas.

As células responsáveis por reparar tecidos danificados não agem com a mesma agilidade que em uma pessoa saudável, provocando uma demora na cicatrização.

4. Infecções

Os distúrbios no sistema imunológico provocados pela diabetes alteram o funcionamento das células de defesa. Ou seja, o paciente diagnosticado com diabetes pode ser considerado imunossuprimido, um indivíduo mais suscetível a infecções.

As infecções mais comuns em diabéticos são:

  • Infecção urinária ou cistite
  • Erisipela
  • Celulite
  • Candidíase
  • Pneumonia

5. Cansaço

O combustível do nosso organismo é a glicose. No entanto, a sua absorção pelas células só é possível com o auxílio da insulina, que é inexistente ou debilitada nos diabéticos. Dessa forma, o corpo de um diabético tem capacidade reduzida para produzir energia.

Somado a outros fatores, como a desidratação ou mau funcionamento generalizado do organismo, infelizmente, faz com que o paciente com diabetes sinta muita fadiga.

6. Fome

Como as células do corpo não conseguem absorver a glicose para gerar energia, o organismo entende essa situação como falta de alimento. Em uma tentativa de suprir a escassez de energia, o diabético sente necessidade constante de se alimentar.

É uma fome que não passa, pois o problema não é a falta de comida, mas sim a glicose, que é eliminada na urina, em vez de se tornar energia para o corpo.

7. Mudança de peso

Este sintoma ocorre de maneira muito diferente nos dois tipos de diabetes. Os pacientes do tipo 1 perdem peso, enquanto os do tipo 2 ganham.

A perda de peso da diabetes tipo 1

Os pacientes da diabetes de tipo 1 são incapazes de produzir insulina, que é responsável também pelo armazenamento de gordura e síntese de proteínas.

A partir do momento que o paciente não consegue gerar energia ou armazenar gordura, a saída que o organismo encontra para gerar energia é quebrando as proteínas do estoque de gordura e músculos.

Logo, o paciente torna-se incapaz de armazenar gordura ou produzir músculos, emagrecendo sem parar.

O ganho de peso da diabetes tipo 2

O paciente com diabetes não é capaz de gerar energia adequadamente através da absorção de glicose e, por isso, sente fome constantemente.

Diferentemente da diabetes tipo 1, a diabetes tipo 2 permite que o pâncreas produza insulina, ela apenas não funciona adequadamente. Isto é, a insulina do paciente de de diabetes tipo 2 não é capaz de levar a glicose para as células, onde seria transformada em energia, mas continua retendo a gordura normalmente.

Dessa forma, o diabético do tipo 2 tende a se alimentar em excesso, mas somente a gordura adquirida é retida. A glicose é eliminada na urina, mantendo o paciente com fome. E, quanto mais gordura é retida no corpo do paciente, menos a insulina é capaz de transportar a glicose.

Em outras palavras, é um ciclo sem fim em que o paciente se alimenta, engorda, não é saciado e é cada vez menos capaz de gerar energia.

Lembre-se de que a diabetes é uma doença silenciosa, que muitas vezes demora para apresentar os sintomas. Por isso, antes de se autodiagnosticar como diabético ou saudável, faça um exame.

Gostou deste artigo? Leia mais:

Esta artigo foi útil?

Artigos Relacionados

Deixe Um Comentário?